Marcelo Cardoso – Tedx

By 13 de abril de 2015 Combustível No Comments

marcelocardoso

-Por Albano Moura –

Quando colocamos lado a lado virtudes e vícios, justiça e injustiça, estamos falando sobre a nossa origem enquanto seres humanos, coisas que fazem parte da gente há muito tempo. Compartilhamos diariamente esses sentimentos que temos, ódio e amor pelos nossos vícios, orgulho e desprezo pelas nossas virtudes, egoísmo, sucesso, fracasso. Faz parte da vida. Sentir isso na nossa vivência diária é o que nos faz ter uma reação ao ambiente e construir personalidade, quem somos. Inevitavelmente em algum momento todos nos vemos na noite escura do poema de São João da Cruz ou na caverna de Platão, sem saber o que nos deixou deprimidos, impacientes, com medo, furiosos, e para onde ir. Muitas vezes nos sentimos esquecidos por tudo e todos, até mesmo nos momentos de oração. Tentamos preencher o vazio, descobrir nossa missão, sabendo que ela não vai nos satisfazer.

A transformação que podemos realizar em nossos vícios, para torná-los caminhos em direção ao propósito enquanto seres humanos, perpassa algumas perguntas básicas. Nos foi dada uma grande bênção, a de estar vivo e entrar em contato com esse enorme organismo que nos criou, o universo. Mas o quanto estamos longe, por exemplo, de respeitar o planeta onde vivemos? E as pessoas que conhecemos (e não conhecemos)? Muitas escolhas coletivas para nossas cidades, países e para o planeta parecem fundadas no preenchimento do vazio de alguém ou algumas pessoas. Será que estamos continuando o ciclo de sofrimento em escala coletiva? Essas são as perguntas fáceis.

Vejo o olhar para dentro ao qual o Marcelo se refere como um potencial em cada um de nós que gradualmente se expande para o coletivo. Quando fazemos esse exercício de buscar o que dói e ouvir nossa própria consciência, estamos criando um ponto que se expande para a nossa família, nossos amigos, nossa rede de amigos e conhecidos, nosso trabalho, nosso governo, nossas escolas. Nesse caminho é que construímos propósito, nos tornamos os tais seres humanos com h maiúsculo, e podemos dar nosso último suspiro com um sorriso de integridade.

Author Albano Moura

Jornalista do mundo e produtor audiovisual em busca de novos lugares, pessoas e ideias. Soteropolitano (logo percussionista), apaixonado pela natureza e pelo conhecimento.

More posts by Albano Moura

Gostou? Então deixe aqui seu comentário!