Hoje é o dia dela, a mentira!

By 1 de abril de 2014 Combustível No Comments

– Por Rodrigo Borges –

Arrisco-me a dizer que a mentira é uma das ferramentas de manipulação mais utilizadas na nossa sociedade. Desde cedo fomos condicionados a ouvi-las de diversas formas, com diversos objetivos. Tínhamos o “bicho papão”, o “homem do saco”, “a loira do banheiro”, “quem mexe com fogo faz xixi na cama”, entre muitas outras. Aos poucos fomos percebendo que poderíamos usa-las para nosso próprio benefício, e assim começam: “Não fui eu pai, eu juro!”, ou “Você é meu melhor amigo”, “Não vamos nos separar nunca mais” ou “Vou te amar para sempre”.

Seja para se enquadrar ao meio, seja por medo, seja para não magoar o outro, seja por desonestidade mesmo. Infelizmente é um fato inegável, todo mundo mente! Uma vez li uma afirmação que fez muito sentido e dizia assim:

“O tempo e a mentira são inversamente proporcionais. Ninguém consegue mentir por muito tempo para muitas pessoas, porque só consegue mentir para muita gente por pouco tempo, ou mentir por muito tempo para pouca gente!”

Mas será mesmo? Talvez até essa afirmação seja uma grande mentira! Dê uma relembrada nas mentiras que já contou e tire suas próprias conclusões. Quando fui fazer este texto pesquisei algumas coisas que achei muito interessantes (mentira), achei que daria mais seriedade para o meu texto. E algumas coisas me fizeram refletir muito…mentira vai, só pensei um pouco, mas vou compartilhar:

– Aprendizes: Li uma matéria na qual uma psicóloga dizia que crianças com um ano já sabem mentir. Ela afirmou:  “Muitas vezes a criança chora para conseguir algo em troca e nem sempre é um sentimento genuíno. Grande parte das vezes ela usa o drama para manipular os pais”.

– Mentira estética: Literalmente estampada na cara e idolatrada nos dias atuais é a manipulação das aparências como a maquiagem, as próteses de silicone, cirurgias plásticas, botox, cabelos coloridos, anabolizantes.

– Mentira social: Mais da metade dos relacionamentos da nossa sociedade ocidental são sustentados por pequenas mentiras diárias. Na maioria das vezes se as verdades fossem ditas, os relacionamentos nem mesmo teriam iniciado.

Com tantas afirmações com grande chances de serem verdadeiras, nem me atrevo a ir contra. Eu mesmo, como bom ser humano que sou, já usei muitas delas para me safar de algumas situações clássicas como colocar a culpa do atraso no transito, na chuva, no pneu furado. Outra clássica é quando quero encerrar um assunto com aquele alguém que tem um papo inconveniente, logo invento um compromisso inadiável. Também tem aquelas situações que você não concorda com nada do que a pessoa diz, mas finge que concorda para não gerar desconfortos. Infelizmente ou felizmente, a vida tem dessas coisas!

Aprendemos logo cedo a mentir e a conclusão que chego é que quando crescemos as mentiras continuam mas mudam as razões, alternam os cenários, melhoram os argumentos e aumentam as responsabilidades. Outra coisa que aprendi foi que a mentira virou algo tão corriqueiro que as vezes parece que nem é mais considerada mentira, ou vai dizer que quando chegou atrasado para uma reunião e colocou a culpa no transito ouviu alguém te dizer: “Para de mentira, você chegou atrasado porque deixou para sair de casa 5 minutos antes do horário marcado, é óbvio que ia se atrasar!” Enfim, acho que a mentira já virou um pacto subliminar entre as pessoas.

E você, acha que a mentira é um grande mal da humanidade ou uma grande aliada da vida em sociedade? Deixe sua opinião lá embaixo!

Author Rodrigo Borges

Ócio Criador do Folga na Direção. Criativo por natureza, músico por vocação, ator por educação e empreendedor por diversas razões. Formado em Marketing e Agronegócio.

More posts by Rodrigo Borges

Gostou? Então deixe aqui seu comentário!