Somos produtos do nosso meio?

Somos produtos do nosso meio?

By 10 de novembro de 2015 Combustível No Comments

O “Homem é produto do meio” ou “a convivência traz características.”

Sabe, ando pensando bastante sobre essas duas frases. Não só pensando, mas sentindo profundamente também. Para quem me acompanha, sabe que eu mudo de cidade e de estilo de vida com certa frequência. A cada cidade com que me relaciono sinto mudanças internas profundas dentro de mim.

Hoje faz um ano que me mudei de volta para o Rio de Janeiro. Rebobinando um pouco, morei por 8 anos na city maravilha, depois fui morar fora. Na na volta para o Brasil, fui morar em São Paulo e lá fiquei durante 3 anos. Esse período foi suficiente para me despertar uma Roberta tão racional e retilínea, que eu nem me reconhecia mais. A cidade cinza, o horizonte quadriculado, as retas dos prédios, a quantidade de concreto me refletiam uma dureza interna que assolou toda e qualquer atitude artística e intuitiva dentro de mim. Por outro lado, aquela paisagem me trouxe uma certeza profissional, competência e produtividade que nunca tinha encontrado.

Ouvi recentemente de um professor do Gaia Education, curso ma-ra-vi-lho-so que estamos fazendo, algo que fez todo o sentido pra mim: cidades mais retas, com muito concreto, cores cinzas e ângulos retos mudam nosso mundo interior, nos tornando pessoas mais duras, racionais e intolerantes. O oposto também acontece, cidades com muita natureza, curvas, cores nos tornam pessoa mais lúdicas, artísticas e principalmente, maleáveis.

Quando ele disse isso, me deu um clique! É lógico! Experimentei na pele tudo isso. Me transformo a cada paisagem que a vida me apresenta!

Recentemente fui fazer um backup no meu computador e abri a pasta de quando eu morava em São Paulo. Fiquei impressionada com a organização, por data, nome, e relevância que eu mesma tinha feito! Até duvidei que aquela organização toda tinha sido feita por mim. Comparando com a organização dos meus arquivos de hoje, é impressionante a diferença. Isso reflete total a organização mental de cada fase da minha vida.

Hoje, morando no Rio, sinto certa dificuldade de encontrar a produtividade e rapidez de execução que eu tinha em São Paulo, trabalho em outro ritmo e dou valor a outras coisas. Hoje tomo muitas decisões pautadas no que meu corpo me diz, na sensação física e na minha intuição. Em São Paulo, não tinha espaço para as emoções nem para as respostas do corpo, todas as decisões que eu tomava eram pautadas nos resultados, geralmente financeiros.

Um exemplo que acho fantástico é o vídeo que mostra os metrônomos alinhando suas batidas quando colocados em uma superfície maleável. Para quem não sabe, metrônomos são aparelhos que marcam o compasso musical. Cada um começa no seu ritmo, da sua maneira. Em poucos segundos, estão todos alinhados e batendo juntos.

https://www.youtube.com/watch?v=W1TMZASCR-I

Já dizia o vídeo Filtro solar ”More em Nova Yorque, mas mude-se antes que se torne uma pessoa dura. More na Califórinia, mas mude-se antes que se torne uma pessoa mole demais”…

Leia também: Temos sensores elétricos! e O poder da escolha

 

Volume II
Next Post

Author Roberta Martiniano

Empreendedora, Designer em Sustentabilidade pelo Gaia Education, gerente de projetos, publicitária, filha de artista, reikiana, aquariana, yoguini, viciada em viagens e música, ama meditação e espiritualidade. Carioca de coração, e totalmente apaixonada pela dupla sol e mar!

More posts by Roberta Martiniano

Gostou? Então deixe aqui seu comentário!